Meditação na prática

novembro 17, 2017 em Comportamento e ética, Técnicas do Método DeRose, Variedades

Mindfulness

A meditação refere-se à parada das ondas mentais ou ainda manter o pensamento em um único ponto.
Quando isso acontece a consciência passa a fluir por um mecanismo que está acima da mente: a intuição, que é a consciência num estado expandido. Por este viés, como podemos relacionar a Alta Performance profissional, nos estudos e nos esportes proposta pelo DeRose Method com a meditação?

Vejamos o que diz T. Harv Eker, autor do livro Segredos da mente milionária:  “pensamentos geram sentimentos, sentimentos geram ações, ações geram hábitos.”

Essa frase diz muito sobre como podemos transformar nossas vidas através do auto-estudo em aumento da sua performance individual e coletiva. A partir do momento em que você observa como se comportam os seus pensamentos você já tem uma ideia de como irá agir. Esse tipo de prática proporciona um mergulho no seu inconsciente, local onde estão arraigados as raízes dos condicionamentos conhecidos como hábitos. Ao trabalhar conscientemente seus condicionamentos você passará a escolher melhor seus pensamentos que irão gerar melhores sentimentos e ações para uma vida mais saudável, produtiva e longínqua.

Podemos associar à meditação o estado de super-consciência gerado pelo treino das técnicas de meditação ou mesmo o seu próprio treino, mesmo que não tenha alcançado ainda o seu objetivo. Dessa forma, o praticante desta técnicas já estará colhendo os resultados antes mesmo do estado expandido de consciência aflorar de fato.

Quer começar o ano sabendo o que é a meditação e com um arsenal fundamental e definitivo para meditar?

Com o intuito de promover um aprofundamento sobre o tema montamos um período de diversos treinamentos e experiências que contempla ainda um workshop!

Será um período de três meses de práticas na escola do DeRose Method Jardins, onde você irá aprender o alicerce para se desenvolver mais na meditação. Além da oportunidade de conhecer mais a nossa filosofia.

Iniciaremos em dezembro de 2017 e o workshop será em fevereiro de 2018.

Faça parte desta experiência. Inscreva-se no período entre dezembro de 2017 a fevereiro de 2018.

Entre em contato pelo nosso email jardins.sp@derosemethod.org ou pelo telefone (11) 3081-9821.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Você quer meditar?

outubro 31, 2017 em Comportamento e ética, Técnicas do Método DeRose, Variedades

23140232_1700962906581818_1777418417_n
Você quer meditar?
O mais divertido dessa pergunta é que ninguém sabe exatamente o que é meditação.

Será ficar quieto sem fazer nada? Relaxar? Respirar fundo?
Meditação é quase o oposto disso tudo!

Meditar é ficar concentrado, atento, ao ponto de parar de pensar. A meditação é um estado de consciência mais lúcido, mais acordado, no qual você se torna muito mais produtivo e eficiente.

Como chegar a meditação? O caminho consiste em atingir altos níveis de concentração. E você vai aprender a se concentrar graças a um conjunto poderoso de técnicas de respiração, consciência corporal, gestão emocional e foco.

Depois é treinar, treinar e treinar, com vontade e força. E o mais legal é que sentimos os primeiros resultados já nas primeiras semanas!

Então se soubermos de fato o que é meditação, claro que vamos querer meditar.
Quem não quer ficar mais lucido, mais acordado e mais produtivo?

Vamos treinar juntos!

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

ADMINISTRAÇÃO DO STRESS

fevereiro 13, 2016 em Comportamento e ética, Técnicas do Método DeRose

ADMINISTRAÇÃO DO STRESS

ADMINISTRAÇÃO DO STRESS

Stress é o estado psico­orgânico produzido pela defasagem entre o potencial do indivíduo e o desafio que ele precisa enfrentar. O stress em si não é uma coisa ruim. Sem ele, o ser humano ficaria vulnerável e não conseguiria lutar, trabalhar ou criar com a necessária agressividade. Mal é o excesso de stress ou a falta de controle sobre ele.

Na nossa forma de administrar o stress não nos limitamos a proporcionar relaxamento. Muito mais importante é aumentar a energia do praticante para que o seu potencial suba e possa enfrentar o desafio de cima para baixo. O indivíduo aprende a incorporar na sua vida hábitos mais saudáveis, que promovem e desenvolvem as suas potencialidades, aumentam a sua autoestima e conferem­lhe a vontade e a determinação para gerar as mudanças de vida adequadas ao seu bem­estar.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Boas Maneiras

janeiro 27, 2016 em Comportamento e ética, Técnicas do Método DeRose

Boas maneiras para uma perfeita integração familiar, social e profissional. A ideia é não chamarmos a atenção, se isso não for possível que sejamos notados e lembrados pela elegância, polidez, simpatia, cultura e cordialidade.

 

DeRose

Hoje às 21 h teremos o lançamento do livro ” Boas Maneiras” do escritor DeRose. Participe!

 

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Respire!

novembro 11, 2015 em Técnicas Corporais, Técnicas do Método DeRose

Tem um momento importante pela frente? Precisa de diminuir a ansiedade e o medo? Veja como a respiração pode ajudar a controlar as suas emoções no vídeo com uma super dica do instrutor Pedro Mar, Diretor da escola do DeRose Method que fica na cidade de Matosinhos, norte de Portugal. 

Confira no link:

 

http://media.rtp.pt/praca/rubricas/ginastica/como-preparar-se-para-um-exame/

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Um sistema de BOA FORMA

outubro 28, 2015 em Boa Forma, Técnicas Corporais, Técnicas do Método DeRose

Como aprimorar a boa forma corporal de maneira inteligente e que ainda respeite o ritmo biológico de cada praticante? O Método DeRose trabalha o indivíduo de maneira multilateral, e dentre os diferentes tipos de trabalho está a boa forma..

Nosso Método possui mais de 2 mil técnicas orgânicas que desenvolvem no praticante: flexibilidade articular, alongamento muscular, tônus muscular e consciência corporal. Temos diversos grupos de técnicas: anteflexão, retroflexão, lateroflexão, torção, muscular, tração, abertura pélvica, equilíbrio vertebral, que são treinadas em pé, sentadas ou ainda deitadas.

Este conjunto de ferramentas é executado sem repetição, trabalhando a musculatura de maneira isométrica, o que gera ao mesmo tempo flexibilidade e força, além de não desgastar as articulações, e não ter o risco de produzir lesões musculares. Cada praticante se esforça ao máximo, mas sem forçar, que é a nossa regra geral de segurança.

Ao todo possuímos 8 regras gerais de execução:
1. respiração coordenada
2. permanência – máxima ou enquanto puder parar a respiração
3. repetição – nenhuma
4. localização da consciência – sobre a região mais solicitada pela técnica
5. mentalização – sobre a localização da consciência
6. ângulo didático
7. compensação – com técnicas adequadas
8. segurança

No nosso tipo de metodologia não há necessidade de aquecimento muscular. Mas, não se engane, as técnicas são extremamente fortes e muito eficientes no desenvolvimento de força e flexibilidade.

Aos poucos o treinamento condiciona o praticante a desenvolver-se corporalmente, de modo análogo às características de um felino. Destreza, precisão, sutileza e força.

O lado visceral do praticante é bastante exacerbado, tal como a vitalidade e a energia interna.

Gustavo Oliveira
Professor do Método DeRose

(artigo pulicado originalmente no blog da Escola Vila Mariana do Método DeRose)

Saiba mais sobre o tema Boa Forma no site do Método DeRose.

http://metododerose.org/ap/sistema-de-boa-forma.html

Na foto: instrutor Rafael Ramos @rafaramos300

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

As técnicas orgânicas do Método DeRose

dezembro 2, 2014 em Boa Forma, Técnicas Corporais, Técnicas do Método DeRose

Algo muito importante e interessante ao executar as técnicas orgânicas do Método DeRose é que cada posição exige um determinado tipo de respiração, um particular estado de consciência e um característico estado mental. Isso significa que podemos dividir o procedimento orgânico em três fatores (posição do corpo, respiração e atitude interior). Esses fatores devem ser incorporados à posição corporal tornando-a um verdadeiro procedimento orgânico! Sem eles, a posição deixa de ser uma técnica milenar e torna-se um simples exercício físico. Tenha sempre em mente que o procedimento orgânico utiliza o corpo, mas não é uma técnica exclusivamente corporal.

Para ser técnica orgânica autêntica e de acordo com a proposta milenar, a técnica deve visar o autoconhecimento e por meio deste promover evolução pessoal. É aqui que o praticante embarca na busca rumo ao centro do seu ser, muito antes de Sigmund Freud, Alfred Adler, Carl Jung e outros psicólogos famosos pela busca do autoconhecimento, o Yôga Antigo já o fazia. Por meio das técnicas orgânicas é possível compreender o corpo e assim integrá-lo com a respiração e com a mente. Para um praticante desta filosofia antiga, as técnicas orgânicas são um verdadeiro laboratório que utilizam o corpo como um campo de experimentação, vivência e pesquisa permanente.

A finalidade principal de um procedimento corporal é sempre de natureza mental, sendo assim, todo procedimento orgânico é como uma porta que permite ao praticante estender a consciência gerando autoconhecimento além de sua rotineira limitação física. É isso que realmente separa e distingue os técnicas corporais milenares de qualquer atividade física. A expansão da consciência é o objetivo, é a essência, a finalidade das técnicas orgânicas do Método DeRose

É essa essência que muitas escolas e livros que ensinam métodos ditos Antigos e milenares não agregam, pois em sua maioria os ensinamentos professados visam terapia, maior rendimento físico e estética. O praticante deve ter bem definido que realizar técnicas corporais regularmente produz efeitos extraordinários em termos de boa forma, flexibilidade, tônus muscular, equilíbrio de peso e saúde, mas o objetivo não é esse. Pode até ser um ponto de partida, mas jamais será o fim. As técnicas corporais, as técnicas respiratórias, as técnicas de concentração e meditação, bem como os conceitos do Método DeRose tem como objetivo galgar novos níveis de consciência.

Escrito por Malachini Dias, diretor da unidade Cabral do Método DeRose em Curitiba.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

A força da gratidão

outubro 12, 2014 em Comportamento e ética, Técnicas do Método DeRose

Dentre as técnicas do Método DeRose existe uma que é de suma importância (na Prática Básica, o sistematizador DeRose a define como a mais importante), mas é comumente subestimada pelo aluno iniciante. Estamos falando do pújá, o agradecimento prévio antes da prática.

pújá

O pújá é como a maçã ofertada antes de começar a aula.

O fenômeno dos vasos comunicantes

Quando fazemos pújá, estabelecemos um vínculo real e intenso com a figura a quem ofertamos o nosso agradecimento. Quando demonstramos a nossa gratidão, por exemplo, ao instrutor, visualizando-o e enviando boas energias a ele, estamos reforçando os nossos vínculos afetivos e de relacionamento. A partir dessa técnica, a conexão entre os dois é estabelecida, ocorrendo o fenômeno  dos vasos comunicantes.

O Prof. Dr. DeRose explica esse fenômeno no CD “Desenvolva a sua Mente”:

“A função do pújá é estabelecer uma corrente de sintonia entre o discípulo e o Mestre e, logo em seguida, realizar energeticamente o fenômeno dos vasos comunicantes: aquele que tem mais deixa fluir para aquele que tem menos. Quem tem mais força e conhecimento é o Mestre.”

O que o pújá nos ensina

Conforme aprendemos nessa prática, não se visita o Mestre para pedir, mas para oferecer, para servir. Para ter o privilégio de estar na presença do Mestre, é preciso nos reeducar. A prática de pújá ensina isso. Ensina que antes de qualquer ensinamento, antes de todos os efeitos e vivências da prática, deve-se agradecer pela oportunidade de, simplesmente, estar ali. A técnica de oferenda é parte da etiqueta hindu, e ensina ao aluno o valor daqueles que permitem a sua evolução pessoal.

pushpaputa-mudra

Pushpaputa mudrá. Um dos gestos utilizados na prática do pújá.

O verdadeiro sentido da filosofia

Quanto mais intenso e verdadeiro for o sentimento de gratidão, mais forte será a intensidade do retorno ao praticante. Isso quer dizer que os resultados da prática serão mais fortes e mais rápidos. Quanto mais antigo é o praticante, mais ele percebe que o vínculo com o Mestre é a força que confere sentido a todo o resto. É através dessa relação de amor e lealdade que a nossa filosofia ancestral alcança o seu verdadeiro sentido. A conexão com os arquétipos de força e sabedoria da nossa estirpe é o que gera a verdadeira vivência da cultura, na qual as técnicas são apenas ferramentas para construção de um modo de vida. Uma preciosidade que chegou até nós graças ao trabalho incansável dos Mestres e discípulos que nos precederam.

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

O poder da mentalização para alta performance no esporte

agosto 28, 2014 em Boa Forma, Técnicas do Método DeRose, Variedades

Atualmente, a área esportiva é uma das que mais documenta a utilização do recurso da mentalização, pois é adotada pelos técnicos, treinadores, psicólogos e demais profissionais das equipes, cada um com seu método, para garantir a alta performance técnica dos esportistas. O uso de recursos de mentalização faz parte do trabalho que é realizado com eles durante os treinos, no momento da competição e até depois, para equalizar estados emocionais provenientes de uma derrota, da euforia da vitória ou resultante de um esforço excessivo.

No artigo “Preparação psicológica de lutadores: mentalização”, publicado na Tatame – A Revista do Lutador, o autor Leandro Paiva descreve que “numa luta de Jiu-Jítsu, Submission, Grappling e Vale-Tudo, as decisões são tomadas em frações de segundo e a obsessão seguida de lerdeza de raciocínio pode custar caro ao atleta. Muitas vezes para ganhar um combate, o lutador, além de ser mais técnico e forte, deve ser também mais inteligente e fazer uso da agilidade mental para descobrir os erros de seu oponente e utilizar isto a seu favor antes do término da luta. Alguns atletas campeões de alto nível, como Bibiano Fernandes e Ronaldo Jacaré, na situação que precede alguns treinos e principalmente na competição, costumam imaginar os movimentos que executarão, repetindo algumas vezes essa representação mental, chegando até em alguns casos a dividi-los em partes, dentro de uma sequência correta tecnicamente.”, descreveu. Ao finalizar o artigo ele destaca que “a mentalização ou visualização de imagens (Treinamento Mental) não substitui a prática técnica e por si só não garante o sucesso da performance. O treinamento prático, a princípio, é superior ao Treinamento Mental, mas a combinação dos dois conduz a melhores resultados”, concluiu.

mentalizacao

Laurent Olivier Abes, que é professor de tênis há 11 anos, sendo licenciado em Educação Física pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), mestre em Psicologia pela UFSC, membro do Núcleo de Estudos em Tênis de Campo (NETEC) da UFSC e membro do Laboratório de Neurociências do Esporte e Exercício (LANESPE) da UFSC, também defende a utilização do recurso da mentalização. Segundo ele, no âmbito esportivo, a mentalização vem sendo sistematicamente estudada há apenas duas décadas, no entanto vários atletas famosos já usaram algum tipo de mentalização para melhorar a sua performance. Como exemplos ele cita: Jack Nicklaus (golfe), Jean Claude Killy (esqui), Dwight Stones (salto em altura) e Chris Evert (tênis). Ele descreve que “há vários fatores que parecem determinar o quanto a mentalização pode melhorar o desempenho e deve-se estar sempre ciente deles. Em primeiro lugar, considera-se a natureza da tarefa, pois atividades envolvendo componentes cognitivos (percepção, tomada de decisão, etc.), se beneficiam mais da mentalização. O segundo aspecto leva em conta o nível de habilidade do indivíduo. Um terceiro ponto importante a ser considerado é a capacidade de mentalização do indivíduo, isto é, conseguir criar imagens nítidas e ter controle sobre elas”, enumera. Abes também concorda que a mentalização não substitui a ação, mas a complementa. “A mentalização não deve substituir o treinamento técnico ou físico e, sim, ser acrescentado a eles, exceto em caso de atletas lesionados ou desgastado demais”, conclui.

No Método DeRose, Escola de Alta Performance e Qualidade de Vida, a mentalização é utilizada como recurso há mais de cinquenta anos e pode auxiliar o trabalho que é realizado pelos esportistas, uma vez que desenvolve e incentiva a capacidade de mentalizar. Nas técnicas corporais, respiratórias e de purificação orgânica, por exemplo, a mentalização é responsável por pelo menos 80% dos resultados obtidos pelo praticante. A aula prática é dividida em oito partes e dura em média uma hora, ou seja, o aluno passa uma hora inteira exercitando a mentalização associada a práticas (ações efetivas). Cada parte da aula é somada a outra complementando a seguinte. A prática, então, proporciona um aumento inigualável na capacidade de concentração, vitalidade, grande flexibilidade, alongamento e fortalecimento muscular, trazendo resultados positivos para a coluna vertebral e os sistemas nervoso, endócrino, respiratório, circulatório, etc.

Ainda falando em técnicas corporais do Método DeRose, a mentalização também auxilia os apresentadores das sequências encadeadas. Semelhante ao trabalho feito com atletas e desportistas, o demonstrador procura um local onde possa repassar mentalmente sua sequência, para o lado direito e depois para o esquerdo, encadeando as técnicas e observando todos os detalhes possíveis: movimento corporal, respiratórios, passagem de uma técnica para outra, estado emocional, interação com o público, etc. Este exercício também não substitui o treino diário, mas possibilita um aprimoramento sem gerar desgaste físico, reduzindo seu tempo de aprendizado e maior habilidade na execução propriamente dita. Além disso, ele estará também treinando concentração, tão necessária para atletas de qualquer modalidade.

O Preceptor DeRose propõe uma experiência simples, mas que comprova a influência da mentalização sobre o nosso organismo. Consiste em sentar-se de forma confortável e colocar as duas mãos uma ao lado da outra sobre uma mesa ou sobre os joelhos. Então, estando as mãos no mesmo nível e em ambiente com a mesma temperatura e demais condições, leve a atenção para a uma delas somente e procure prestar muita atenção, sem movimentá-la. Simplesmente feche os olhos e procure percebê-la com muita ênfase e concentração durante aproximadamente cinco minutos. Passado este tempo, ao abrir os olhos verá que esta mão assumiu outra coloração, podendo até ter uma elevação de temperatura. Este experimento comprova nossa capacidade de gerenciar o próprio corpo e alcançar resultados incríveis com o tempo e um pouco de treino.

Texto escrito pela aluna graduada Fabíula Blum.
Fonte: http://derosealtodaxv.org.br/blog/o-recurso-da-mentalizacao-para-alta-performance-no-esporte-2

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS